O Comportamento do Cérvix durante as Fases do Ciclo Ovariano

O cérvix é a parte inferior do útero e está conectado ao corpo do útero pelo ístmo. Estimulado pelos hormônios ovarianos o cérvix produz muitos tipos de muco cervical. O diagrama a direita ilustra os vários tipos de criptas das quais são liberadas as secreções de muco. Estas possuem um papel crucial na fertilidade e na saúde geral da mulher. O muco cervical é liberado na vulva e pode ser sentido e observado pela mulher. Este é o fundamento do Método de Ovulação Billings.

Em cada estágio do ciclo ovariano é feito um comentário abaixo com associada seqüência de imagens.

Um acompanhamento da página fornece uma seqüência de animação.

Código de cores usados nas imagens do cérvix

Muco G

Muco L

Muco P

Muco S

Fluxo menstrual

 

Fase ovariana

Comportamento do cérvix

Ístmo e Cérvix 

Menstruação

O tampão de muco G se desprende para permitir o fluxo menstrual.

Menstruação

Qualquer presença de muco é mascarada pelo fluxo menstrual quando a ovulação esta próxima.

Menstruação

O fluxo menstrual enfraquece e espessa o muco G acumulado no canal cervical. O Padrão Básico de Infertilidade pode ser identificado mesmo na presença de manchas.

Padrão Básico de Infertilidade

Após a menstruação o cérvix estreito é fechado pelo muco G.
Os espermatozóides permanecem na vagina onde o seu tempo de sobrevivência é muito curto.

Padrão Básico de Infertilidade

A cérvix estreita está fechada pelo muco G. Os espermatozóides permanecem na vagina onde o seu tempo de sobrevivência é muito curto.

Primeiro Ponto de Mudança
Potencial de fertilidade

O muco G diminui com a ajuda do muco P2 por seu efeito liquidificante.
Os espermatozóides podem agora entrar no cérvix onde a vida destes é prolongada.

Potencial de fertilidade

Muco G diminui, muco L aumenta, muco S inicia, proporcionando nutrição e canais para o transporte dos espermatozóides.

Potencial de fertilidade

Muco S e L aumentam.

Potencial de fertilidade

Muco G diminui ainda mais, muco L aumenta, muco S aumenta. As mudanças no padrão fértil são observadas na vulva e são causadas pelas mudanças proporcionais dos diferentes tipos de muco.

Devido a combinação dos mucos L e S, podem aparecer filamentos.

Potencial de fertilidade

O efeito liquidificante do muco P sobre os filamentos de muco S e L é pronunciado. Os filamentos de muco podem desaparecer deixando somente uma sensação lubrificante na vulva.

Ápice da fertilidade

A ovulação é iminente. O óvulo pode sobreviver até 24 horas após a ovulação. O cérvix atingiu o ápice de desenvolvimento para a concepção. As condições estão favoráveis para a seleção e rápido transporte de espermatozóides de alta qualidade. Sente-se a vulva lubrificada e edemaciada.

 

Ápice+1
Potencial de fertilidade

Na maioria dos casos a ovulação ocorre no dia ápice ou neste dia. O óvulo pode sobreviver até 24 horas. Ainda existem canais para transportar os espermatozóides.

O muco G começa a se formar nas criptas inferiores. A vulva não esta mais molhada ou lubrificada.

 

Ápice+2
Potencial de fertilidade

G aumenta, mucos S e L diminuem.

A ovulação pode ocorrer tardiamente neste dia. O óvulo pode sobreviver até 24 horas. Existem menos canais para transporte dos espermatozóides.

A vulva não está mais molhada ou lubrificada.

 

Ápice+3
Potencial de fertilidade

Muco G aumenta. Mucos S e L ainda estão presentes mas em pequenas quantidades.

Ainda existem canais para transporte dos espermatozóides. .

A concepção é possível se o óvulo estiver presente.

A vulva não está mais molhada ou lubrificada.

 

Fase Lútea  

O cérvix está obstruído pelo muco G. O óvulo está morto. Não é mais possível haver a concepção.

A mulher está infértil.

 

Fase Lútea (Infértil)

O canal do cérvix está estreito e obstruído pelo muco G.

Menstruação

O tampão de muco G é removido para pemitir o fluxo menstrual.